bladerunner
Ontem, no Telecine Cult, passou o especial de 2 horas e logo após a versão do diretor Ridley Scott do filme.
Eu simplesmente amo Blade Runner. Mais do que um filme, ele é filosofia pura. Não é ficção-científica com guerras espaciais e lutas intergalácticas (que eu também amo). Blade Runner faz você querer se voltar para dentro e não para fora. É um filme para ser visto muitas e muitas vezes.
Eu tive o prazer de ver a versão do diretor que passou aqui no Rio no CCBB (acho que na década de 90). Aí eu amei mais ainda. Eu não suporto filme com narração. Pra mim filme assim, parte do pressuposto que a platéia é preguiçosa. Sei lá, pra mim é como ir a um museu e querer fazer a visita guiada. Ao invés de informar, engessa e limita.

Quem comprar o dvd triplo à venda no Brasil vai poder acompanhar a tortura que foi fazer o filme. Harrison Ford ficou tão traumatizado que nunca mais quis falar dele. Além disso, Blade Runner foi o último filme feito analogicamente e apesar disso, não tem efeitos visuais toscos.
O dvd também traz um retrato da indústria do cinema e do poder dos produtores que tavam pouco se lixando para Arte e só pensavam no retorno do seu rico dinheirinho.
Por último vale ressaltar que nos States o filme foi lançado em dvd com 5 discos. Os dois que não vieram na versão brasileira, eu baixei. E agora tô doidinha pra comprar em bluray.

[Post escrito ao som da ma-ra-vi-lho-sa trilha do Vangelis]

Anúncios